Sabedoria dos Muros

Sabedoria dos Muros

Foto tirada nas ruas de Palermo em Buenos Aires, na Coronel Niceto da Vega, chegando próximo ao Mercado das Pulgas… “Todos vamos para o mesmo lugar, ainda que em velocidades diferentes.”.

Os Cabelos da Minha Filha

Os Cabelos da Minha Filha

Os cabelos da minha filha são lindos. Claro, que a opinião de pai não pesa tanto, mas como tudo relacionado a minha filha, não preciso me convencer ou convencer outras pessoas, pois sei de fato que ela tem cabelos lindos. Mas me incomodo em ser minoria, me incomoda saber que nas últimas duas escolas queLeia mais sobreOs Cabelos da Minha Filha[…]

São Jorge (Kiko Dinucci & Juçara Marçal)

São Jorge (Kiko Dinucci & Juçara Marçal)

“Guerreio é no lombo do meu cavalo Bala vem mas eu não caio, armadura é a proteção Avanço sob a noite iluminado, luto sem pestanejar Derrubo sem me esforçar, a guarnição A guimba e a fumaça do meu cigarro Cega o olho do soldado que pensou em me ferir Com um sorriso derrubo uma tropaLeia mais sobreSão Jorge (Kiko Dinucci & Juçara Marçal)[…]

Morre Gabriel García Márquez

Morre Gabriel García Márquez

Como bem me disse um amigo a poucos minutos: “Morreu Gabo numa quarta-feira chuvosa, como o Coronel Aureliano Buéndia. Só não é outubro ainda….” http://www.estadao.com.br/noticias/arte-e-lazer,morre-gabriel-garcia-marquez,1155304,0.htm

Li hoje quase duas páginas (Fernando Pessoa)

Li hoje quase duas páginas (Fernando Pessoa)

Li hoje quase duas páginas Do livro dum poeta místico, E ri como quem tem chorado muito. Os poetas místicos são filósofos doentes, E os filósofos são homens doidos. Porque os poetas místicos dizem que as flores sentem E dizem que as pedras têm alma E que os rios têm êxtases ao luar. Mas flores,Leia mais sobreLi hoje quase duas páginas (Fernando Pessoa)[…]

Canção da Torre Mais Alta (Arthur Rimbaud)

Canção da Torre Mais Alta (Arthur Rimbaud)

Mocidade presa A tudo oprimida Por delicadeza Eu perdi a vida. Ah! Que o tempo venha Em que a alma se empenha. Eu me disse: cessa, Que ninguém te veja: E sem a promessa De algum bem que seja. A ti só aspiro Augusto retiro. Tamanha paciência Não me hei de esquecer. Temor e dolência,Leia mais sobreCanção da Torre Mais Alta (Arthur Rimbaud)[…]

Ponta de Areia (Esperanza Spalding)

Ponta de Areia (Esperanza Spalding)

Ponta de areia ponto final Da Bahia-Minas estrada natural Que ligava Minas ao porto ao mar Caminho de ferro mandaram arrancar Velho maquinista com seu boné Lembra do povo alegre que vinha cortejar Maria fumaça não canta mais Para moças flores janelas e quintais Na praça vazia um grito um oi Casas esquecidas viúvas nosLeia mais sobrePonta de Areia (Esperanza Spalding)[…]

Uma Rosa para Emily (William Faulkner)

Uma Rosa para Emily (William Faulkner)

Quando Miss Emily Grierson morreu, toda a nossa cidade compareceu ao enterro: os homens em atenção a essa espécie de carinho respeitoso que se tem por um monumento tombado; as mulheres movidas pela curiosidade de ver o interior de sua casa, onde ninguém entrara nos últimos dez anos, exceto um velho negro, ao mesmo tempoLeia mais sobreUma Rosa para Emily (William Faulkner)[…]

Se (Rudyard Kipling)

Se (Rudyard Kipling)

Se és capaz de manter tua calma, quando, todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa. De crer em ti quando estão todos duvidando, e para esses no entanto achar uma desculpa. Se és capaz de esperar sem te desesperares, ou, enganado, não mentir ao mentiroso, Ou, sendo odiado, sempre ao ódio teLeia mais sobreSe (Rudyard Kipling)[…]

A Cigarra e a Formiga (W. Somerset Maugham)

A Cigarra e a Formiga (W. Somerset Maugham)

A Cigarra e a Formiga de La Fontaine (Gustave Doré) Quando eu era ainda muito pequeno, obrigaram-me a decorar algumas das fábulas de La Fontaine, e explicaram-me cuidadosamente a moral de cada uma. Entre elas, aprendi a da cigarra e da formiga, que pretende incutir nos jovens a útil lição de que num mundo imperfeitoLeia mais sobreA Cigarra e a Formiga (W. Somerset Maugham)[…]

O Tygre (William Blake)

O Tygre (William Blake)

Tyger – William Blake Tygre! Tygre! Brilho, brasa que a furna noturna abrasa, que olho ou mão armaria tua feroz symmetrya? Em que céu se foi forjar o fogo do teu olhar? Em que asas veio a chamma? Que mão colheu esta flamma? Que força fez retorcer em nervos todo o teu ser? E oLeia mais sobreO Tygre (William Blake)[…]

Guts (Chuck Palahniuk)

Guts (Chuck Palahniuk)

Chuck Palahniuk Inspire. Inspire o máximo de ar que conseguir. Essa estória deve durar aproximadamente o tempo que você consegue segurar sua respiração, e um pouco mais. Então escute o mais rápido que puder. Um amigo meu aos 13 anos ouviu falar sobre “fio-terra”. Isso é quando alguém enfia um consolo na bunda. Estimule aLeia mais sobreGuts (Chuck Palahniuk)[…]

A Rua (João do Rio)

A Rua (João do Rio)

Rua do Ouvidor — 1890 Eu amo a rua. Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seria revelado por mim se não julgasse, e razões não tivesse para julgar, que este amor assim absoluto e assim exagerado épartilhado por todos vós. Nós somos irmãos, nós nos sentimos parecidos e iguais; nas cidades, nas aldeias,Leia mais sobreA Rua (João do Rio)[…]

O Aumento (Dino Buzzati)

O Aumento (Dino Buzzati)

Quando ficou sabendo que seu jovem colega Bossi, a mais recente admissão da firma, ganhava mais de vinte mil liras por mês do que ele, Giovanni Battistela viu-se tomado de uma raiva espantosa. E teve uma coragem do que em condições normais lhe pareceria uma loucura: de fazer-se receber pelo diretor e dizer-lhe poucas eLeia mais sobreO Aumento (Dino Buzzati)[…]

Como a criatividade está sendo estrangulada pela lei (Larry Lessig)

Como a criatividade está sendo estrangulada pela lei (Larry Lessig)

Uma das melhores palestras que vi até hoje no TED. Vale a pena assistir.

Os idiotas confessos (Nelson Rodrigues)

Os idiotas confessos (Nelson Rodrigues)

Antigamente, o idiota era o idiota. Nenhum ser tão sem mistério e repito: — tão cristalino. O sujeito o identificava, a olho nu, no meio de milhões. E mais: — o primeiro a identificar-se como tal era o próprio idiota. Não sei se me entendem. No passado, o marido era o último a saber. SabiamLeia mais sobreOs idiotas confessos (Nelson Rodrigues)[…]

O Estranho caso de Benjamin Button (F. Scott Fitzgerald)

O Estranho caso de Benjamin Button (F. Scott Fitzgerald)

I No longínquo ano de 1860 a maneira correta de nascer era em casa. Presentemente, segundo me dizem, os sumo-sacerdotes da medicina decretaram que os primeiros vagidos dos recém-nascidos devem ser soltos no ar antiestético de um hospital, de preferência de um hospital em voga. Por isso, Mr. e Mrs. Roger Button estavam cinqüenta anosLeia mais sobreO Estranho caso de Benjamin Button (F. Scott Fitzgerald)[…]

Dear God (XTC)

Dear God (XTC)

Dear God I Hope you got the letter and I pray that you can make it better down here I don’t need a big reduction in the price of beer But all the people that you made in your image See them starving on their feet ‘Cause they don’t get enough to eat From GodLeia mais sobreDear God (XTC)[…]

Ray Charles – Hallelujah I Love Her So (1955)

Ray Charles – Hallelujah I Love Her So (1955)

Acho que já ouvi essa música hoje umas vinte vezes… Let me tell you ‘bout a girl I know She is my baby and she lives next door Every mornin’ ‘fore the sun comes up She brings me coffee in my favorite cup That’s why I know, yes, I know Hallelujah, I just love herLeia mais sobreRay Charles – Hallelujah I Love Her So (1955)[…]

A importância da desimportância

A importância da desimportância

“Um homem carrega seus livros”. A frase ressoa na minha cabeça como se a ouvisse pela primeira vez. Estranhamente o autor da frase não se lembra dela. Tinha eu onze, talvez doze anos. Lembro que me causou fortíssima impressão. Somente anos depois pude notar que foi ali que começou minha atração quase maníaca pela estéticaLeia mais sobreA importância da desimportância[…]

%d bloggers like this: