Axolote (Julio Cortázar)

Axolote (Julio Cortázar)

Houve um tempo em que eu pensava muito nos axolotes. Ia vê-los no aquário do Jardim das Plantas e ficava horas olhando-os, observando sua imobilidade, seus imperceptíveis movimentos. Agora sou um axolote. O acaso me levou até eles numa manhã de primavera em que Paris abria sua cauda de pavão-real depois de lenta invernada. DesciLeia mais sobreAxolote (Julio Cortázar)[…]

Casa tomada (Julio Cortázar)

Casa tomada (Julio Cortázar)

Caricatura genial, feita pelo Batistão para o Caderno de Cultura do Estadão. Gostávamos da casa porque, além de ser espaçosa e antiga (as casas antigas de hoje sucumbem às mais vantajosas liquidações dos seus materiais), guardava as lembranças de nossos bisavós, do avô paterno, de nossos pais e de toda a nossa infância. Acostumamo-nos IreneLeia mais sobreCasa tomada (Julio Cortázar)[…]

O Aleph (Jorge Luis Borges)

O Aleph (Jorge Luis Borges)

O God, I could be bounded in a nutshell and count myself a King of infinite space. Hamlet, II, 2 But they will teach us that Eternityis the Standing still of the Present Time, a Nuncstans (as the Schools cal it); which neither they, nor any else understand, no more than they would a Hic-stans for a Infinite greatnesseof Place. Leviathan,Leia mais sobreO Aleph (Jorge Luis Borges)[…]

A Loteria em Babilônia (Jorge Luis Borges)

A Loteria em Babilônia (Jorge Luis Borges)

Como todos os homens de Babilônia, fui procônsul; como todos, escravo; também conhecia a onipotência, o opróbrio, os cárceres. Olhem: à minha mão direita falta-lhe o indicador. Olhem: por este rasgão da capa vê-se em meu estômago uma tatuagem vermelha: é o segundo símbolo, Beth. Esta letra, nas noites de lua cheia, confere-me poder sobreLeia mais sobreA Loteria em Babilônia (Jorge Luis Borges)[…]

Biografia de Tadeo Isidoro Cruz (Jorge Luis Borges)

Biografia de Tadeo Isidoro Cruz (Jorge Luis Borges)

I’m looking for the face I had Before the world was made. ( YEATS: The Winding Stair ) No dia 6 de fevereiro de 1829, os guerrilheiros que, fustigados por Lavalle, marchavam do Sul para incorporar-se às divisões de López, pararam em uma estância cujo nome ignoravam, a três ou quatro léguas do Pergamino; aoLeia mais sobreBiografia de Tadeo Isidoro Cruz (Jorge Luis Borges)[…]

História do Guerreiro e da Cativa (Jorge Luis Borges)

História do Guerreiro e da Cativa (Jorge Luis Borges)

Na página 278 do livro La Poesia (Bari, 1942), Croce, resumindo um texto latino do historiador Paulo, o Diácono, narra o destino e cita o epitáfio de Droctulft; estes me comoveram singularmente, depois compreendi por quê. Droctulft foi um guerreiro lombardo que, no assédio de Ravena, abandonou os seus e morreu defendendo a cidade queLeia mais sobreHistória do Guerreiro e da Cativa (Jorge Luis Borges)[…]

O Imortal (Jorge Luis Borges)

O Imortal (Jorge Luis Borges)

Solomon saith: “There is no new thing upon the earth”. So that as Plato had an imagination, “that all knowledge was but remembrance”; so Solomon giveth his sentence, “that all novelty is but oblivion”. FRANCIS BACON: Essays LVIII. Em Londres, em princípios do mês de junho de 1929, o antiquário Joseph Cartaphilus, de Esmirna, ofereceuLeia mais sobreO Imortal (Jorge Luis Borges)[…]

Os teólogos (Jorge Luis Borges)

Os teólogos (Jorge Luis Borges)

O Neófito – Gustave Doré Arrasado o jardim, profanados os cálices e os altares, entraram a cavalo os hunos na biblioteca monástica e rasgaram os livros incompreensíveis e os injuriaram e queimaram, talvez temerosos de que as letras encobrissem blasfêmias contra seu deus, que era uma cimitarra de ferro. Arderam palimpsestos e códices, mas noLeia mais sobreOs teólogos (Jorge Luis Borges)[…]

O morto (Jorge Luis Borges)

O morto (Jorge Luis Borges)

Que um homem do subúrbio de Buenos Aires, que um triste compadrito sem mais virtude que a enfatuação da coragem, se interne nos desertos eqüestres da fronteira com o Brasil e chegue a capitão de contrabandistas, parece de antemão impossível. Aos que assim o entendem, quero contar o destino de Benjamín Otálora, de quem talvezLeia mais sobreO morto (Jorge Luis Borges)[…]

A biblioteca de Babel (Jorge Luis Borges)

A biblioteca de Babel (Jorge Luis Borges)

O UNIVERSO (que outros chamam a Biblioteca) compõe-se de um número indefinido, e talvez infinito, de galerias hexagonais, com vastos poços de ventilação no centro, cercados por balaustradas baixíssimas. De qualquer hexágono, vêem-se os andares inferiores e superiores: interminavelmente. A distribuição das galerias é invariável. Vinte prateleiras, em cinco longas estantes de cada lado, cobremLeia mais sobreA biblioteca de Babel (Jorge Luis Borges)[…]

%d bloggers like this: